segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Depoimento de um ruivo



"Resolvi escrever para o Blog, pois gostaria de contar sobre o que passei na infância e gostaria de tentar ajudar pessoas que talvez passem ou tenham passado pelos mesmos problemas que eu tive de enfrentar quando criança.
Logo no primeiro dia de aula fui tratado com hostilidade por conta da cor dos meus cabelos, piadinhas e apelidos eram frequentes. Logo, comecei a me sentir diferente e excluído do grupo, e isso só piorou quando mais tarde além das piadinhas sobre os cabelos começaram as agressões físicas.
Alguns anos depois, ao entrar para o sexto ano (antiga quinta série) comecei a sofrer preconceito, não só pelo ruivo dos meus cabelos, mas também pela minha homossexualidade e pelas manias devido ao TOC. As agressões se tornaram mais frequentes e a vida escolar um inferno, passei a “matar” aulas pra fugir das agressões que eram diárias.
Um dia, quando “matava” aula, fui abusado sexualmente, daí pra frente às coisas só pioraram. Não comentei com ninguém sobre nada, passei por quadros de síndrome do pânico, tinha medo e por fim tentei suicídio.
Hoje em dia escolhi como profissão ser professor, para tentar ajudar e proteger meus alunos. Faço trabalho voluntário na pastoral da criança. Tomei como meta de vida ajudar pessoas que assim como eu tenha passado ou passem por este mesmo tipo de violência.
Hoje em dia não tenho uma vida afetiva satisfatória, tenho problemas com síndrome do pânico, varias vezes durante a infância cheguei a pintar os cabelos para fugir das piadinhas e agressões que diariamente era submetido. Hoje tenho 26 anos e ainda não consegui me livrar dos traumas de infância.
Se você ruivo/ruiva que se identifica com minha história, grite por socorro, não tenha medo! Confie em seus pais e professores, a culpa não é tua, pois você só é mais uma vítima de uma violência invisível que é mais comum do que se imagina".

Um Ruivo